Um olhar sobre a evolução do Marketing

O marketing se profissionalizou. Perdeu sua sensibilidade cultural – sua característica de arte e ofício.

Não tem como falar de marketing sem olhar para a Unilever – a gigante do marketing profissional que vive muito mais de gerenciar marcas do que de criá-las.

Unilever (na época Lever Brothers) e suas grandes colegas, Procter & GambleColgate-Palmolive, foram talvez o principal meio onde o marketing se profissionalizou e com o tempo ganhou uma aparência cientificada.

Essa roupagem ‘científica’ teve grande influência vinda da área da gestão – do pensamento de Peter Drucker, da turma da escola do pensamento científico, (Frederick Taylor, Henri Fayol e outros) como também de práticas, técnicas e modelos da McKinsey & Co.

Nos últimos 100 anos o crescimento e expansão de grandes indústrias e empresas não seria possível sem as premissas da gestão moderna: hierarquia, especialização, uniformização, controle. Por isso o surgimento de inúmeras inovações em cadeia de vendas, entrega de serviço, tecnologia de informação.

No entanto, o custo desse crescimento foi altíssimo. Foi cada vez mais expulso das organizações o viés humano, suas limitações e possíveis contradições. Ver “The Theory of Social and Economic Organization” de Weber.

E nessa história da gestão o que acabou acontecendo com o marketing?

A inquestionável busca para minimizar custos, racionalizar processos, maximizar resultados, foi também aplicada ao marketing. Os procedimentos burocráticos e métodos científicos enraizados na gestão Taylorista da produção de massa, não perdoaram o que antes era uma arte e ofício.

A ‘cientifização’ do marketing disparou. A sensibilidade e compreensão humana foi cada vez mais eliminada. O humano foi desaparecendo. A capacidade empática e a sensibilidade cultural foi extorquida. Abusada. No lugar, fórmulas e mais fórmulas e modelos de comportamento humano.

E entraram na lógica não só o marketing, mas um conjunto de agências, empresas de pesquisa e consultorias que giram em torno dos grandes profissionais do marketing. Esse conjunto de empresas de serviço se ligou pelo pensamento burocrático e suas premissas.

Historicamente, a capacidade sedutora de uma empresa, chame ela de marketing ou o nome que preferir, sempre foi uma arte e ofício essencialmente humanos. Dotada de empatia e sensibilidade cultural.

Olhe ao redor. Quem mais constrói marcas culturalmente relevantes? Com certeza não são as grandes mas sim empreendedores pequenos e médios. Esses com sua capacidade e sensibilidade cultural afiadíssimas, criam marcas com crenças e causas que movem e juntam pessoas.

O problema é que muitas vezes falta nos pequenos e médios o que tem sobrado nas grandes: procedimentos. E muitas marcas acabam sendo vendidas para as grandes. Talvez esse seja o pipeline de inovação delas – comprar, pois não conseguem criar.

E nesse contexto de questionar e repensar o marketing, em uma tentativa de voltar às ‘origens’, Keith Weed (que é o cara do marketing da Unilever, há mais de 30 anos na empresa) estreia sua palestra em Cannes com o título “Crafting Brands for Life: How Unilever is Reinventing Marketing”.

Curioso o título.

A palestra foi quase um pedido velado de desculpas. Keith junto ao seu vice presidente de marketing, Marc Mathieu, confessou que nas últimas décadas do século XX o marketing se tornou a busca de vender pelo bem da própria venda.

Disseram aos profissionais que o marketing deveria voltar à sua origem e contribuir para o progresso social. Ele desenvolve essa ideia explicando que a disciplina deveria ser o equilíbrio entre lógica e mágica e se tornar cada vez menos sobre o processo e mais sobre colocar a vida das pessoas no centro de tudo. Implicitamente, baniram o termo consumidor.

Interessante. Mas infelizmente essa não será a realidade nos próximos 10 anos ou mais da Unilever. A estrutura burocrática centenária não permite essa mudança.

Iron Cage que Weber retrata e a estrutura de controle da gestão que Garry Hamel tanto critica ainda não permitem colaboração e sensibilidade cultural em tal contexto. Tudo ainda é muito segmentado. No marketing, por exemplo, as equipes de pesquisa, são separadas das equipes de estratégia e das de design.

É preciso quebrar com isso? Não sei, depende. O que sei é que as grandes vão sofrer muito nas próximas décadas. A quantidade de pequenos e médios empreendedores com sensibilidade cultural, e baixíssima profissionalização do marketing, vai aumentar bastante e incomodar muito.

Nos Estados Unidos, por exemplo, a Unilever já vendeu sua unidade de “laundry business” em 98 para a Vester, uma empresa de fundo de investimento. Ao ser questionado por quais cargas d’água foi vendida e ainda num mercado chave como o Norte Americano, a desculpa de Keith foi que no final das contas é sobre escolha e a escolha que fizeram é a de que possuem melhores oportunidades de investimento em outras partes do mundo.

Para mim a palestra de Keith em Cannes responde a essa pergunta. Por que diabos venderam? Simples, a arte e ofício (humano) foi deixado de lado e suas marcas nesse mercado não participam mais do dia a dia das pessoas, não são meios pelos quais se identificam e se expressam. E agora o custo é muito alto para resgatar o humano.

POR Equipe 2DA
EM 29/04/2021

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp

Leia outros artigos

Não há nada mais poderoso que uma ideia

Leia mais

Por mudanças que transformem negócios em resultados

Leia mais