A queda de braço da liderança

Vale a pena largar os interesses particulares? Suprimir o propósito e razão de existir de uma empresa? Vale a pena a queda de braço entre a liderança em torno de interesses particulares?

Pense em um país sem uma bandeira, um hino e monumentos. Pense nesse país sem suas cores, constituição, sem figuras históricas. Pense nele sem rituais e cerimônias comemorativas.

Pense na revolução francesa sem seus símbolos, bandeira, uniformes. Pense nos confederados da guerra civil americana sem a parafernália visual que carregou e reforçou toda a ideologia separatista.

Pense no movimento americano pelos direitos civis e sua busca pela igualdade racial e fim da discriminação sem as palavras I have a dream. Pense no Green Peace sem o Save the Planet. Nos hippies sem o Peace and Love.

Agora pense em sua empresa. Uma bandeira forte que agrega e direciona as equipes? Ou uma dispersão generalizada por interesses particulares?

O que move sua empresa? Qual a sua bandeira? Quais são seus símbolos?

O fato é, as pessoas desejam pertencer, desejam expressar o que representam, gritar de que lado estão. Desejam se associar, defender causas, levantar bandeiras. Bandeiras ligam pessoas em torno de ideais e diminuem interesses e conflitos individuais.

Por isso a bandeira é um recurso que deve ser gerenciado assim como o financeiro, o comercial, o RH, a área de TI. Gerenciar a bandeira é gerenciar a identidade da empresa.

O antídoto aqui não é o planejamento estratégico, nem as reuniões de meta nem tampouco as pesquisas de mercado, apesar de sua extrema importância. O antídoto é a identidade.

Portanto, sem levantar bandeiras não há empresas, há apenas um bando de pessoas, cada qual com seu interesse.

POR Equipe 2DA
EM 29/04/2021

COMPARTILHE

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on telegram
Share on whatsapp

Leia outros artigos

Não há nada mais poderoso que uma ideia

Leia mais

Por mudanças que transformem negócios em resultados

Leia mais